Logomarca

  • Facebook
  • Twitter
  • RSS
  • Agora é Lei Aplicativo

Notícias

27/11/2018

Procon-Pr orienta consumidores sobre a Black Friday.

Muita gente esperta o dia de Ações de Graças comemorado nos Estados Unidos para comprar alguns produtos específicos. A cada ano a promoção, que ocorre na última sexta-feira do mês de novembro, vem ganhando mais espaço entre lojistas e consumidores.
Mas, desde 2015, o Procon-Pr registra reclamações por parte dos consumidores, após a Black Friday.
“Em 2015 foram 50 reclamações. No ano seguinte, foram registradas 72 reclamações e no ano passado, 65 consumidores fizeram uma reclamação formal ao Procon”, explica a diretora do Procon-Pr, Cláudia Silvano.
Ela  fala ainda que, na maioria dos casos, a reclamação é porque o prazo de entrega não foi cumprido por parte do fornecedor, ou o produto não foi entregue.
“O consumidor precisa sempre pesquisar sobre a loja em que está fazendo a compra. Black Friday mexe com as emoções de quem está comprando, muitas vezes, um produto que estava sendo pesquisado há muito tempo. E nessas horas o desconto acaba falando mais alto”, afirma Cláudia.

Para o secretário da Justiça, Trabalho e Direitos Humanos, Elias Gandour Thomé, o consumidor está ficando mais consciente na hora de comprar.
“As pessoas já estão mais cautelosas, pesquisando antes e fazendo escolhas mais acertadas. Mas, claro, caso haja algum problema, o Procon-Pr e a plataforma consumidor.gov.br estão aí para ajudar quem precisa”, afirma o secretário.

Para registrar uma reclamação no consumidor.gov.br, basta entrar no site ou baixar o aplicativo, disponível para os sistemas IOS e Android.
No Procon-Pr, as reclamações podem ser feitas pelos telefones 0800411512 ou (41) 3223-1512, ou por carta, com preenchimento do formulário disponível no site do Procon (www..procon.pr.gov.br).
Há também a possibilidade de ser atendido pessoalmente.
Aqui em Curitiba, o Procon-Pr fica na Rua Emiliano Perneta, 47 e o atendimento é das 9 às 17 horas.


Fonte: SEJU - Secretária da Justiça, Trabalho e Direito Humanos.
Recomendar esta notícia via e-mail:

Campos com (*) são obrigatórios.