Notícias

10/07/2012

PROCON-PR Divulga Ranking das Empresas que Menos Resolvem os Problemas dos Consumidores

O ranking das empresas que apresentam um alto índice de não-resolução, divulgado pelo PROCON-PR, é uma ferramenta que tem como objetivo auxiliar o consumidor a avaliar sua decisão de compra ou contratação de serviço de determinado fornecedor, mostrando como ele atua em relação às reclamações registradas.

A lista com as 20 empresas com o maior índice de problemas não solucionados entre janeiro de 2011 a maio de 2012, já está disponível no endereço eletrônico www.procon.pr.gov.br, em Comportamento dos Fornecedores nas Audiências.

“Muitas dessas empresas apresentam um alto índice de não-resolução, contando com a possibilidade de repassar a questão para o poder judiciário e com uma possível desistência por parte do consumidor”, explica a coordenadora do órgão, Claudia Silvano, “Além disto, o PROCON-PR vem constatando que muitos fornecedores terceirizam seus serviços, mas os representantes não solucionam o problema do cliente”, acrescenta.

Ranking

Para elaborar o ranking do comportamento das empresas nas audiências, o PROCON-PR levou em conta fornecedores que tiveram acima de 118 audiências entre janeiro de 2011 e maio deste ano, num total de 356 dias úteis, e que apresentaram índice de não resolução superior a 30%.

Os bancos e instituições financeiras lideram o ranking de reclamações não resolvidas. De acordo com o levantamento, o grupo Panamericano vem mantendo o maior índice de não resolução. No período analisado, das 171 audiências realizadas deixou de resolver 58,47% dos problemas apresentados pelos consumidores.

O segundo lugar ficou com o Grupo Santander, que não solucionou 55,12% das reclamações. Em terceiro lugar está o Banco do Brasil, com 53,94% de reclamações sem solução, seguido pelo Grupo Votorantin, do qual fazem parte a BV Leasing Arrendamento Mercantil e a BV Financeira S.A com 52,65%. O Grupo B2W, integrado pelas Lojas Americanas, Americanas.com, Submarino. com e Shoptime.com está em quinto lugar, com 52,31% das reclamações não solucionadas.
Recomendar esta notícia via e-mail:

Campos com (*) são obrigatórios.